Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

O melhor dos melhores

14/01/2015 10:23

Oba! Ele é tri. Cristiano Ronaldo ganhou, mais uma vez, a Bola de Ouro. O português é o melhor jogador do mundo. Ficou feliz, mas insatisfeito. Quer mais, muito mais. O primeiro passo: alcançar Messi, que tem quatro troféus. O outro: ultrapassar os antecedentes. Em bom português: ambiciona ser o melhor dos melhores.

CR, pra lá de hábil, é capaz de dar sucessivos toques na bola – com os pés, as coxas, os ombros ou a cabeça – sem que ela tenha contato com o chão. O espetáculo se chama embaixada. Mas o nome não tem nada a ver com representação diplomática, Itamaraty & cia. Tem a ver com a forma como se toca na pelota – por baixo. Malandro, o pé começa a manobra embaixo da redonda. Daí embaixada.

Gols de placa

Cristiano Ronaldo não é só bom de bola. É bom de língua. No bate-papo com repórteres, torcedores e nem uma coisa nem outra, o jogador soltou esta: "Em face do meu sucesso, posso ficar ao par de Messi. Depois, ultrapassá-lo". Ops! Ele fez dois gols de placa.

O primeiro: não caiu na esparrela de dizer "face a". Usou em face de. Camões, Fernando Pessoa, Machado de Assis & cia. talentosa bateram palmas. Vinicius também. Entusiasmado, o poetinha lembrou verso no qual a expressão brilha mais que a bola de ouro. Eis a primeira estrofe do "Soneto da Fidelidade":

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

***

O segundo: o emprego de ao par. A duplinha significa em equivalência: O real esteve ao par do dólar. Meu cargo está ao par do dele. Com três troféus, Cristiano Ronaldo está ao par do brasileiro Ronaldo.

Olho vivo, moçada. Parecido não é igual, mas confunde. A locução a par não conhece ao par nem de elevador. A par quer dizer ciente, informado: Com a transmissão ao vivo, o mundo ficou a par dos desafios que o jogador português quer enfrentar.

Mais uma
Outra duplinha dá nó em fumaça e nos miolos de gregos, romanos e baianos. Trata-se de em domicílio. Muitos dizem a domicílio. Bobeiam. A entrega é feita em casa, em escolas, em lojas, em hospitais. E, claro, em domicílio. Melhor: em casa.

Eu sou mais eu

"Ególotra", gritaram os inimigos do craque vaidoso. O que é isso? Eis a resposta: de ego nasceu eu. E deu origem a conhecida prole. Egoísta é um de seus membros. Egocêntrico, outro. Ególatra, mais um. Todos têm os dois olhos postos no próprio umbigo. Adorar a si mesmo não é velho como o céu e a Terra. A mitologia grega tem até um deus pra representar a egolatria. É Narciso. O mancebo era o belo entre os belos. As ninfas não resistiam a seus encantos. Batiam o olho nele e caíam de amor. O moço não estava nem aí.

Por falar em ego…
Ego- pede hífen quando seguido de h ou o. No mais, é tudo juntinho como unha e carne: ego-histeria, ego-organização, egocêntrico, egolatria, egoidealizado.

Eta preguiça
"Muitos poucos chegaram ao patamar de Cristiano Ronaldo", escreveu o jornal. Bobeou. Na locução muito poucos, o muito sofre de preguiça macunaímica. Não quer saber nem de feminino nem de plural. Invariável, deixa tudo igual: Havia muito poucos candidatos ao prêmio. Eram muito poucas as chances de conseguir o troféu. Muito poucos jogadores apareceram na premiação.

Leitor pergunta
Abaixo assinado ou abaixo-assinado? Vejo as duas formas. Mas não sei quando usar uma ou outra. Pode me dar uma luz?

Célia Regina, Tubarão

O documento, Célia, se escreve com hífen. O signatário se grafa sem o tracinho. Ambos têm plural (abaixo-assinados, abaixo assinados): Os manifestantes entregaram o abaixo-assinado à presidente. Paulo da Silva, abaixo assinado, solicita…

PESQUISA DE CONCURSOS