Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Que país é... este ou esse?

18/03/2015 12:19 | Atualização: 18/03/2015 12:21

A pergunta é quase quarentona. Em 1976, o Brasil estava mergulhado na ditadura militar. Francelino Pereira, presidente do partido que ocupava o poder, anunciou que o general Geisel ia promover a abertura política. Ninguém lhe deu bola. "Que país é este?", perguntou diante da reação dos incrédulos. Ops! A frase pegou.

"Que país é este?", cantou Renato Russo no mesmo ano. Há quatro meses, Renato Duque a relembrou ao ser preso pela Polícia Federal. Mas trocou as letras. "Que país é esse?", indagou. A questão do ex-diretor da Petrobras deu nome à 10ª etapa da Operação Lava-Jato. Mas não ficou por aí. Acendeu a dúvida na cabeça dos brasileiros. Este ou esse?

O xis da questão


Este, esse
e aquele são pronomes demonstrativos. Eles dão nó nos miolos porque têm três empregos. Um: indicam situação no espaço. Outro: indicam situação no tempo. O último: indicam situação no texto. Pra entendê-los, lembre-se das pessoas do discurso. Discurso, no caso, não tem nada a ver com comício ou falação de político. Discurso significa conversa. As pessoas do discurso são as que tomam parte em diálogo.

Num bate-papo, são necessárias três pessoas. Uma fala (1ª). Outra escuta (2ª). A última é o assunto, sobre o que se fala (3ª). Imagine que Rafael telefone para João e lhe pergunte se foi ao cinema. No caso, Rafael fala. É a 1ª pessoa. João escuta. É a 2ª. Do que eles falam? Da ida ao cinema. É a 3ª.

1. Situação no espaço

Este
informa que o objeto está perto da pessoa que fala. A mãe diz ao filho que chega tarde em casa: "Esta não é a casa-da-mãe-joana" (os dois estavam em casa). Francelino Pereira e Renato Russo estavam no Brasil e se referiam ao Brasil quando perguntaram "Que país é este?" Lula repetia a torto e a direito "Nunca antes na história deste país" (ele estava no Brasil e falava do Brasil).

Moral da história: Renato Duque bobeou ao perguntar "que país é esse?" Ele estava no Brasil e se referia ao Brasil. Em bom português, diria: "Que país é este?"

***

Esse
indica que o objeto está perto da pessoa com quem se fala. Imagine que Renato Duque esteja lendo um livro na cadeia. "Que livro é esse?", pergunta o colega curioso (o livro está com Duque, a pessoa a quem o falante se dirige). "Este livro é O poderoso chefão". (o livro está com quem fala).

***

Aquele
diz que o objeto está longe tanto da pessoa que fala quanto da pessoa com quem se fala: Aquele quadro está à venda.

2. Situação no tempo

Este fala do tempo presente: este ano, este mês, esta semana (o ano, o mês e a semana em curso); este fim de semana (o fim de semana próximo, que o falante considera presente).

***

Esse
ou aquele exprimem tempo passado (esse, passado próximo; aquele, distante): Visitei o Rio pela primeira vez em 1970. Nesse (ou naquele) tempo eu morava em Porto Alegre.

Eis um nó. Como saber se o passado é próximo ou remoto? Depende de cada um. O tempo é psicológico. Uma hora com dor de dente é uma eternidade. Se for à noite, nem se fala. São duas eternidades.

3. Situação no texto

Este

antecipa a referência: Paul Valèry deu esta sugestão aos escritores: "Entre duas palavras, escolha sempre a mais simples; entre duas palavras simples, escolha a mais curta" (a sugestão é anunciada antes e expressa depois).

***

Esse
retoma uma referência que foi feita: "Entre duas palavras, escolha sempre a mais simples; entre duas palavras simples, escolha a mais curta."

Essa sugestão, escrita por Paul Valèry no início do século passado, é um dos mandamentos do texto contemporâneo.

Leitor pergunta


No domingo, o Brasil se vestiu de verde-amarelo. Como se flexiona a duplinha?

César Assis, São Paulo


Verde-amarelo joga no time de guarda-chuva e puxa-saco. Só o substantivo se flexiona. O verbo se mantém invariável: camiseta verde-amarela, camisetas verde-amarelas, cinto verde-amarelo, cintos verde-amarelos.


PESQUISA DE CONCURSOS