Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Vírgula 3

16/07/2015 09:56

A cena é familiar. Alguém vai andando galhardamente. Cabeça erguida, ombros eretos, barriga chupada, bumbum encaixado. De repente, não mais que de repente, tropeça. Levanta-se rápido. Desconfiado, olha pra lá e pra cá. Continua a marcha como se nada tivesse acontecido. Mas o estrago está feito. A frase também tropeça. Basta pôr certa vírgula em certo lugar. Mais precisamente: basta provocar o adjunto adverbial que está quietinho, lá no fim da oração.

Na ordem direta, o adjunto adverbial (o termo que indica circunstância – causa, tempo, modo, lugar, comparação, conformidade) vem no fim da frase. Aí, não aceita vírgula.

• Nós (sujeito) lemos (verbo) o jornal (objeto) todos os dias (adjunto adverbial de tempo).
• O homem (sujeito) adquire (verbo) novos hábitos (objeto) com a intenet (adjunto adverbial de instrumento).
• Flamengo e Vasco (sujeito) jogam (verbo) domingo (tempo) no Maracanã (lugar).

Deslocamento
Nem todo adjunto adverbial é comportado. Irrequieto, o traquinas vive mudando de lugar. Ora vai para o começo da oração, ora para o meio. Aí, sim, vírgula nele. A vírgula indica o deslocamento do arteiro:

• Todos os dias, nós lemos o jornal.
• Nós, todos os dias, lemos o jornal.

*

• Com a internet, o homem adquire novos hábitos.
• O homem, com a internet, adquire novos hábitos.

*

•No Maracanã, Flamengo e Vasco jogam domingo.
•Domingo, Flamengo e Vasco jogam no Maracanã.
•Flamengo e Vasco jogam, domingo, no Maracanã.

Mesmo time
As orações adverbiais não fogem à regra. Quando vêm depois da oração principal, estão no lugar delas. Nada de vírgula:

• O presidente pode interferir na eleição para evitar confronto.
• Paulo retirou-se quando o presidente entrou.
• O modelo agradou a todos porque apresenta design moderno e bom desempenho.

*

Se mudarem de lugar, usurpam a casa dos outros. Vírgula, pois:

• Para evitar confronto, o presidente pode interferir na eleição.
• O presidente, para evitar confronto, pode interferir na eleição.
• Quando o presidente entrou, Paulo retirou-se.
• Porque apresenta design moderno e bom desempenho, o carro agradou a todos.
• O carro, porque apresenta design moderno e bom desempenho, agradou a todos.

A vírgula é obrigatória?
No deslocamento da oração adverbial, a vírgula se impõe. No do adjunto, há concessões: se ele for pequeno, é facultativa (as gramáticas consideram pequeno o adjunto formado de uma palavra – ontem, hoje, amanhã. Os jornais, o que tem até três): Domingo Flamengo e Vasco jogam no Maracanã. Domingo, Flamengo e Vasco jogam no Maracanã.

É isso. Adjunto e oração adverbiais estão no lugar deles? Palmas. Nada de vírgula. Pularam a cerca? A vírgula denuncia. Cuidado. Não brinque com a pausa. Ao menor descuido, pronto. A frase fica manca e gaga.

Leitor pergunta
É correto falar em pequena e grande maioria?

Etne, BH

Maioria é metade mais um. Se 100 eleitores votarem e um candidato obtiver 51 votos, Oba! Ele ganhou. Por pequena maioria, é verdade, mas ganhou. Se obtiver 98, viva! Venceu por grande maioria. Só faltaram dois pra alcançar a unanimidade. Nelson Rodrigues costumava repetir que a unanimidade é burra. Se é verdade...

 

Dad Squarisi 


PESQUISA DE CONCURSOS