Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Vírgula - final

20/07/2015 11:40 | Atualização: 20/07/2015 11:44

Ufa! Chegamos ao fim. Foram três colunas. Começamos por desmascarar o emprego da vírgula. O sinalzinho não tem nada a ver com respiração e caprichos. Tem a ver com a velha e sempre presente sintaxe. Ele separa termos coordenados, termos explicativos e termos deslocados. Como o esquartejador, fomos por partes. Em primeiro lugar, desvendamos o mistério da coordenação. Em segundo, da explicação. Por fim, do deslocamento. Hoje batemos o ponto final. Em pauta, o restinho dos arteiros que insistem em circular.

Rabo quente

As orações são como as pessoas. Algumas dão duro. Trabalham tanto que se sobrecarregam. Têm dois predicados, um verbal e um nominal. O verbal exprime ação. O nominal, o modo de ser do sujeito no momento da ação – o predicativo. Identificá-lo parece difícil, mas não é. Basta saber que ele esconde o verbo estar. Observe a manha:

O ministro entrou nervoso. O ministro entrou (e estava) nervoso.
O dia amanhece bonito. O dia amanhece (e está) bonito.
O vento soprava furioso. O vento soprava (e estava) furioso.


O predicativo não para no lugar. Por isso, os professores o chamam de rabo quente. O cantinho dele é depois do verbo. Se passar pra frente, a vírgula pede passagem:

O ministro entrou nervoso na sala.
Nervoso, o ministro entrou na sala.
O ministro, nervoso, entrou na sala.


*

O dia amanhece bonito.
Bonito, o dia amanhece.
O dia, bonito, amanhece.


*

O vento soprava furioso.
Furioso, o vento soprava.
O vento, furioso, soprava.


Vem, clareza
Às vezes, o deslocamento constitui exigência da clareza. É o caso do período:

*Encaminho a carta anexa.

Reparou? Parece que anexa é qualidade permanente da carta. Falso. A carta não é anexa. Está anexa. Melhor abrir alas para a clareza:

*Anexa, encaminho a carta.

Conjunção coordenativa
As conjunções coordenativas têm o lugarzinho delas. É no começo da oração. Mas nem todas têm a fidelidade do cão. É o caso das adversativas e conclusivas. Como gato, elas mudam de casa. Passam, então, pro time das deslocadas. Ficam entre vírgulas:

Trabalho muitas horas por dia, porém meu salário é baixo.
Trabalho muitas horas por dia; meu salário, porém, é baixo.


*

Trabalho muitas horas por dia, portanto meu salário é alto.
Trabalho muitas horas por dia; meu salário, portanto, é alto.


Vocativo
O ser a quem nos dirigimos é pra lá de elitista. Não se mistura a memhum termo da oração. É sempre – sempre mesmo – separado por vírgula. Na dúvida, basta antepor-lhe o ó: Chegou a hora, (ó) meninos. Pra frente, (ó) Brasil. Avança, (ó) Brasil. Deus, ó Deus, onde estás que não me escutas?

Leitor pergunta

A expressão pontapé inicial é pleonasmo?

Batista, Natal

Nem todo pontapé é inicial. Logo, a duplinha não joga no time dos pleonasmos. Joga no dos chavões. A palavra ou expressão, tantas vezes repetida, torna-se arroz de festa. É o caso de pontapé inicial, abrir com chave de ouro, cair como uma bomba & cia. tiveram frescor algum dia. Hoje soam coisa velha. Transmitem a impressão de pessoa preguiçosa, incapaz de surpreender. Xô!

 

Dad Squarisi 


PESQUISA DE CONCURSOS