Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Crase (final)

29/07/2015 13:37

Dad Squarisi

“A queda do PIB se deve à Lava-Jato”, disse a presidente Dilma. No dia seguinte, a frase estava em jornais de Europa, França e Bahia. Leitores se espantaram. “Crase antes de nome masculino? Lava-Jato joga no time dos machinhos. Daí por que dizemos que lavamos o carro no lava-jato.” A imprensa errou? Ou é mais uma das tantas ciladas com que a língua desafia os falantes atentos?

É por aí. Trata-se do jogo de esconde-esconde. Como quem não quer nada, uma palavra feminina se faz de morta. Oculta-se. Os distraídos caem na armadilha. Olho vivo! O nome completo da Lava-Jato usa saia, salto alto e batom -- Operação Lava-Jato. Desvendado o mistério, vem a certeza: o acentinho é pra lá de bem-vindo.

O mesmo ocorre em construções como estas:

Não foi à Editora Contexto. Foi à (editora) José Olympio.
Dirigiu-se à Rua da Praia e à (rua) dos Andradas.
Corta o cabelo à (moda) Rodrigo Santoro.
A queda do PIB se deve à (Operação) Lava-Jato.


Resumo da opereta: As aparências enganam.

Nome dela

Nome próprio pede artigo? Depende da região. Os nordestinos detestam pôr o a ou o o na frente do nome. Dizem: Mandei as cartas para Maria. Maria saiu. Paulo é irmão de Maria.

Os sulistas, só pra contrariar, adoram o artigo. Assim: Mandei as cartas para a Maria. A Maria saiu. O Paulo é irmão da Maria.

Conclusão: o sinal da crase antes do nome de mulher é facultativo. Com ele e sem ele, o resultado é um só: acertar ou acertar.

Ora, a hora
Que escravidão! O relógio não dá sossego. É hora de pular da cama, hora do banho, hora do café, hora do ônibus, hora do ponto, hora da reunião, hora do almoço, hora do banco, hora da consulta, hora do lanche, hora da carona, hora da faculdade. Ufa!

Hora é pra lá de poderosa. Não adianta lutar contra ela. O bom senso aconselha entender-se com a controladora. O que fazer? Só há uma saída – indicar o horário como manda o figurinho. Em outras palavras: usar o grampinho se necessário. Mandá-lo pras cucuias se for preciso.

Deste jeitinho:

Meu expediente começa às 8h.
Estou ao telefone desde as 2h.
Trabalho das 8h às 12h.


Bateu a dúvida? Recorra ao macete. Substitua hora por meio-dia. Se no troca-troca der ao, abra alas para o acento. Caso contrário, xô! Nem pensar. Aprecie o tira-teima aplicado nos exemplos anteriores:

Meu expediente começa ao meio-dia.
Estou ao telefone desde o meio-dia.
Trabalho das 8h ao meio-dia.


Leitor pergunta

Quando não usar a crase?

Beatrice Calmon, BH

1. antes de nome masculino: Bebê a bordo. Saiu a todo vapor.

2. com palavras repetidas: cara a cara, uma a uma, gota a gota, face a face, semana a semana, frente a frente.

3. antes dos pronomes pessoal, indefinido e os demonstrativos esta, essa: Dirigiu-se a esta funcionária. Confessou a ela as trapaças que havia feito. Saiu a toda. É honesto a toda prova. Aplaudia o funcionário a cada etapa vencida. Assistiu a algumas cenas do filme.

4. com o a no singular seguido de nome plural: Assistiu a reuniões durante o dia. Falou a professoras presentes.

PESQUISA DE CONCURSOS