Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Antiga como o rascunho da Bíblia

19/10/2015 11:23

Dad Squarisi

Coisas caem de moda. É o caso de CD, videocassete, maiô com saiote, tevê em preto e branco. Coisas vão e voltam. A vitrola serve de exemplo. Os discos de vinil também. E a calça boca de sino? Fez furor nos anos 70. Nas décadas seguintes, virou símbolo de breguice. Depois, provou que nada melhor que um dia depois de outro. Retornou às passarelas com força total.

Simples assim? Nem sempre. Há cadáveres que não se deixam enterrar. Apesar de ultrapassados, insistem em se manter vivos. E, não satisfeitos, assombram a vida de quem os quer longe. Beeeeeeeeeeem longe. O conflito de Israel e Palestina é um deles. Eta caduquice! Há mais de 60 anos os dois primos brigam. Dão uma trégua e voltam furiosos. Ufa! Até quando?

De Jerusalém
Enquanto a confusão não bate ponto-final, valem dicas de português. Uma: o adjetivo pátrio de Jerusalém. A cidade sede das três religiões monoteístas do mundo adora exibir ostentação. Com mania de grandeza, tem cinco palavras que indicam origem. Conhece? Ei-las: hierosolomita, hierosolimitano, jerosolimita, jeresomilitano, jerusalemita.

Sagrada
Hierosolomita e jerosolimita são formas variantes. Com h ou com j, as palavras têm o mesmo berço. Vêm do grego. O latim as adotou. Numa língua ou outra, o significado se mantém. Quer dizer o originário da cidade sagrada.

Incoerência

Além de caduco, o conflito prima pela incoerência. A etimologia de Jerusalém serve de prova. O nome vem de hierosolima, que vem do hebraico Ieroshalaim. O palavrão tem duas partes. Uma: Iero, que quer dizer cidade. A outra: shalom, saudação que significa paz. Em bom português, Jerusalém é a cidade da paz. Cadê paz?

Por falar em …
Israelense ou israelita? Depende. Israelense é natural ou o habitante de Israel. Israelita se refere à religião judaica ou ao povo de Israel no sentido bíblico. Compare: praça israelense, templo israelita.

Armas

Guerra lembra armas, muitas armas. Você diz arsenal de armas? Bobeia. Todo arsenal é de armas. Basta arsenal. Sozinha, a palavra dá o recado. É de armas. Se é uma arma particular, aí, sim, a gente anuncia: arsenal de fuzis, arsenal de pistolas, arsenal de metralhadoras. Afinal, nem todo arsenal é de fuzis, pistolas ou metralhadoras. Simples assim.

Horário de verão
Alguns o amam. Outros o odeiam. É o horário de verão. A partir de hoje, o relógio avança uma hora. Em fevereiro, os ponteiros voltam atrás. Até lá, Vale lembrar as manhas da marcadora do tempo. A abreviatura de hora é sem-sem — sem espaço e sem plural: 2h, 2h30, 2h45.

Metadinha
O dia tem 24 horas. Quando os ponteiros percorrem 12 horas, dizemos que é meio-dia. Mais 12, meia-noite. As metadinhas se grafam assim — com hífen. O plural? É meios-dias e meias-noites.

Olho vivo, marinheiros de poucas viagens. A concordância prega peças. A vítima é 12h30. Muitos dizem meio-dia e meio. Bobeiam. É meio-dia e meia (hora).

Leitor pergunta
Podemos, num texto formal, usar mais pequeno em vez de menor?

Edilson Zafira de Sousa, lugar incerto

Em Portugal, costuma-se usar mais pequeno em vez de menor. No Brasil, a história muda de enredo. Aqui, só usamos a duplinha em comparações como estas: Meu texto é mais pequeno que grande. A casa que aluguei é mais grande que pequena.

PESQUISA DE CONCURSOS