Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Pequeno trapaceiro

20/01/2016 10:04

Dad Squarisi

A palavra mais trapaceira da língua? É o artigo. O pequenino prega peças como gente grande. Gramáticas e manuais alertam para o risco. Todos entendem. Prometem seguir a orientação dos mestres. Mas, na hora de aplicar os ensinamentos, cadê? Os vícios voltam firmes e fortes. Tanto o indefinido quanto o definido roubam pontos nas provas, mancham reputações e matam amores. Xô! Xô! Xô!

O indefinido

As palavras, como os remédios, podem matar. O artigo indefinido, medicamento de tarja preta, causa estragos. Torna o substantivo vago, impreciso, molengão. Em 99% das frases, é gordura pura. Corte-o. Assim: Na praia, as banhistas usam (uns) biquínis pra lá de provocantes. Os brasileiros esperam viver (uma) nova era no país. Haverá (umas) manifestações ao longo de 2016.

Outro

O pronome outro tem aversão à obesidade. Lipoaspiração é com ele mesmo. Sabe qual é a primeira vítima do motorzinho? O artigo indefinido. Escrever ou falar um outro? Valha-nos, Senhor. Melhor mandá-lo plantar batata onde judas perdeu as botas: Comprou (um) outro vestido pra curtir a festa. Espera receber (uma) outra nota depois da revisão. Vendeu a casa para (um) outro freguês.

O definido

Ser claro é obrigação de quem escreve. O artigo definido se presta a confusão de significados. Ao dizer os estudantes fazem manifestações em São Paulo, engloba-se a totalidade da moçada. Se não é a totalidade, o pequenino não tem vez: Estudantes fazem manifestações em São Paulo.

Todos os

Ora, se o artigo engloba, o todos sobra em muitas situações. Corte-o sem pena: Vou à missa todos os domingos. (Vou à missa aos domingos.) Conheça todos os pontos turísticos da cidade. (Conheça os pontos turísticos da cidade.) Todas as pessoas que se expõem ao sol correm risco de contrair câncer de pele. (As pessoas que se expõem ao sol correm risco de contrair câncer de pele.)

Ambos

Ambos joga no time das polarizações. Com ele é oito ou 80. Ou anda sozinho, ou acompanhado. Na primeira equipe, não oferece problema. Veja: Ambos saíram. Gosto de ambos. Trabalho com ambos sem problemas.

Na segunda equipe é que a porca torce o rabo. Seguido de substantivo, o dissílabo exige — exige mesmo — o artigo. Assim: Ambos os filhos visitaram os pais. Ambas as provas do Enem foram alvo de críticas. Ambos os países sobressaíram no debate.

Chamar a atenção
Olho vivo! Chame a atenção de alguém. Assim, com artigo: O maestro chamou a atenção dos músicos. Chame a atenção dos presentes. Não gosto que me chamem a atenção.

Cujo

O pronome relativo cujo sofre de grave intolerância. Não suporta o artigo. O bom senso manda respeitar-lhe as idiossincrasias: Dilma, cujo segundo neto acabou de nascer, é avó pela segunda vez. Paulo Coelho, cujos livros fazem sucesso mundo afora, mora em Paris. O funcionário cujo salário é mais curto que o mês vai à luta.

Leitor pergunta
A última coluna criticou o acento na paroxítona eta que aparece no nome da novela “Êta mundo bom”. Depois de ler a observação, bateu a dúvida. Uma vez que o título deriva de expressão caipira, não poderia haver aí a liberdade gramatical encontrada nos nomes próprios? Outra questão é quanto ao horário do folhetim. Em vez de novela das 6h, não deveria ser das 18h?

Cláudio de Melo Silva, Olinda


Não há por que acentuar paroxítonas terminadas em a.O chapeuzinho não acrescenta nada à mensagem. É erro mesmo.

A outra questão: a novela das 18h é conhecida por novela das 6, não? A própria emissora divulga os folhetins da forma como o brasileiro costuma falar: novela das 6, novela das 7, novela das 9.

PESQUISA DE CONCURSOS