Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Xô, bobeiras!

%u201CAssim como os pensamentos são o retrato das coisas, as palavras são o retrato dos pensamentos", Molière

16/08/2017 15:51

Dad Squarisi

Você vai fazer concurso? Redige ofícios, memorando, relatórios, exposição de motivos? Candidata-se a vaga na universidade? Está de olho em promoção no emprego? Escreve e-mails? Participa de redes sociais? Abra os dois olhos. Não caia nas ciladas que roubam pontos e prestígio. As armadilhas são muitas. A seguir, desmontamos algumas.


O hospital atende pacientes de “0” a 18 anos

Zero ano? Nem com mágica. Só depois de 365 dias, completam-se os 12 meses necessários pra chegar lá. Melhor dar tempo ao tempo: O hospital atende pacientes de até 18 anos.

*

“Dois” milhões de mulheres


Ops! Milhão é masculino e não abre. Numerais, artigos e pronomes têm de concordar com ele: dois milhões de mulheres, os milhões de crianças, muitos milhões de declarações.

*

O diretor manterá a “mesma” assessoria.

Ora, se vai manter, só pode ser a mesma. Se não for, o verbo é outro. Pode ser mudar. Ou alterar. Xô, pleonasmo: O diretor manterá a assessoria.

*

O acidente deixou cinco “vítimas fatais.”

Fatal quer dizer que mata. O acidente mata. É fatal. A vítima, coitada não matou. Morreu. Em bom português: O acidente deixou cinco mortos.

*

Quem aposentou-“se”?

Olho na gangue do qu. Que, quem, quando, quanto, qual, porque atraem os pronomes átonos: Quem se aposentou? Ele disse que, depois dos apelos, se manteve no posto.

*

“Há” poucos meses das eleições, as regras não estão definidas.

Olha a confusão! O há indica tempo passado. O a, futuro. Não vale trocar as bolas: Chegou há pouco. Entrou na universidade há dois anos. Paulo chega daquei a pouco. A poucos meses das eleições, as regras não estão definidas.

*

“Face ao” exposto, pouco se pode fazer.


Atenção, marinheiro de poucas viagens. Face a não existe em português. A forma 100% nacional é em face de: Em face do exposto, pouco se pode fazer.

*

Educação deve ser prioridade “independente” do vencedor.

Epa! Independente é adjetivo. Quer dizer livre. Independentemente é advérbio. Significa sem levar em conta: O Brasil ficou independente de Portugal em 1822. Educação deve ser prioridade independentemente do vencedor.

*

Lia estava com a mãe quando o ladrão encostou a arma na “sua” cabeça.


Sua de quem? Pode ser da mãe ou da filha. O sua responde pela ambiguidade. Melhor livrar-se dele: ...encostou a arma na cabeça da criança. Ou da mãe.

*

Expediente entre “12h e 14h”.

Na indicação de horas, o número vem sempre (sempre mesmo) acompanhado de artigo: Expediente entre as 12h e as 14h.

Leitor pergunta

Haverá mudança do procurador-geral da República esse ano? Ou este ano?
Selma Gomes, Ceilândia

Que ano? Se é o ano em curso, o este pede passagem. A regra vale para semana e mês: este ano (2017), este mês (agosto), esta semana (a semana em curso).

PESQUISA DE CONCURSOS