Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

Crase tim-tim por tim-tim (3)

"Compreender sintaxe ajuda o escritor a evitar uma prosa agramatical, enrolada e enganosa." Steven Pinker

02/03/2018 18:14 | Atualização: 09/03/2018 19:23

Dad Squarisi

Ufa! Chegamos ao fim. Esta é a terceira coluna que desvenda os mistérios da crase. Nas duas anteriores, vimos oito casos que dão nó nos miolos. Nesta, mais quatro. Com o trio dominado, fica uma certeza: o leão não é tão bravo quanto o pintam. Ao contrário. Ele é manso como o gatinho lá de casa.


Alerta 9 — Possessivo

O pronome possessivo joga no time dos liberais. Deixa o emprego do artigo à escolha do freguês: Sua mãe está aqui. A sua mão está aqui.

Se o artigo é facultativo, a crase também é: Fui à sua cidade. Fui a sua cidade. Refere-se à nossa escola. Refere-se a nossa escola.

Duvida? Vamos ao troca-troca: Fui ao seu país. Fui a seu país. Refere-se ao nosso clube. Refere-se a nosso clube.

Olho vivo! Liberdade não é libertinagem. Tem limite. Qual? Depende da companhia. O possessivo vem acompanhado de substantivo? Se sim, o artigo é facultativo. A crase, idem. Se não, o artigo se impõe. O acento também: Não fui à sua sala. Não fui a (à) sua sala, mas à minha. Desejou sorte a (à) sua família e à minha também.

O tira-teima não deixa dúvida: Não fui a (ao) seu quarto, mas ao meu. Cheguei a (à) nossa rua, não à sua. Cheguei  a (ao) nosso bairro, não ao seu. Desejou sorte a (ao) seu chefe e ao meu também.


Alerta 10 — Locução

Ouviu falar em locução? Fique esperto. Trata-se de duas ou mais palavras que fazem as vezes de um adjetivo, um verbo, um advérbio, uma preposição, uma conjunção. À crase interessam três: a adverbial, a prepositiva e a conjuntiva.

Como identificar uma e outra? Fique de olho na última palavra:

1. A locução prepositiva termina por preposição (de, com, a): em frente de, ao lado de, de acordo com, em relação a.


Se for formada por palavra feminina, exige sinal da crase: Ficou à frente da polícia. Vive à custa do pai.

2. A locução conjuntiva termina por conjunção (que): de forma que, de maneira que, à medida que, à proporção que.


Se for formada por palavra feminina, pede acento grave: À medida que treina, nada melhor.


3. A locução adverbial termina com nome (substantivo, adjetivo): à meia-noite, às claras, a prazo.


Quando formada por palavra feminina, pede acento grave: Ficou às escuras. Gosta de tudo às escondidas. Saio à tarde. Viaja às quartas-feiras. Saiu às 2h. Andava às apalpadelas. Entrou às gargalhadas. Fique à vontade. Sente-se à mesa e ponha os pratos na mesa. À noite, ele fala à beça e às claras. Hoje à noite, às 19h, vamos ao cinema. Voltamos à 1h.

A indicação de horas, quando locução adverbial, pede o acento: A reunião começa às 16h. Saí às 4h. Estudo inglês das 4h às 6h.
 

Alerta 11 — Distância

Ensino a distância? Ensino à distância? Trata-se de locução adverbial. Mas os autores se dividem. É que distância ora pede artigo, ora não pede.

Se a distância for determinada, pede o artigo. Aí, haverá o encontro de dois aa. Se não, nada de artigo ou crase.

Compare: Vigie-a a distância. Vigie-a à distância de 100m. Vi o ator a distância. Vi o ator à distância de uns 50m. As universidades oferecem ensino a distância.

Alerta 12 — Aquele, aquilo

Àquele? Àquilo? O a não é problema. Está presente no pronome. Vem, preposição: Luiz se dirigiu àquele vendedor que sorria.

Viu? A gente se dirige a alguém O a exigido pelo verbo se encontra com o a do pronome aquele. É casamento na certa.

Em relação àquilo, nada sei. O a da locução em relação a dá de cara com o a de aquilo. Resultado: os trapinhos se juntam.

Leitor pergunta

Ter que? Ter de? Quando usar um ou outro?
Marcelo Sena, Brasília

Tanto faz. Atualmente não há diferença entre uma forma e outra. Ambas indicam obrigação de fazer alguma coisa: Com o horário de verão, temos de (que) acordar uma hora mais cedo. Você tem de (que) decidir a melhor maneira de agir. Tenho de (que) sair mais cedo.

PESQUISA DE CONCURSOS