Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

Dor no bolso e nos ouvidos

"Um autor só é autor no momento em que escreve. Depois, passa a ser um leitor a mais da própria obra." Autran Dourado

29/05/2018 14:27 | Atualização: 29/05/2018 15:54

Dad Squarisi

Quem aguenta? Os combustíveis dão um susto atrás do outro. Num dia e noutro também, encher o tanque exige mais e mais notas do nosso desvalorizado dinheirinho. Mas a dor não se restringe ao bolso. Afeta também os ouvidos. Repórteres de tevês abertas e fechadas, de rádios AM e FM, de jornalões e jornalinhos anunciam que “o preço da gasolina está mais caro”. Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! É otite na certa.


Caro e barato

Preço caro? Nem pensar. É redundância. Caro e barato encerram a ideia de preço. Produtos e serviços são caros ou baratos. Preço é alto, baixo, elevado. A moçada mereceria banda de música e tapete vermelho se tivesse dado a informação assim: O preço da gasolina está mais alto. Também poderia ser assim: A gasolina está mais cara.

Times diferentes

Caro e barato jogam em dois times. Podem ser adjetivos ou advérbios. Como lidar com eles?

1. Se pertencerem à classe dos advérbios, mantêm-se invariáveis — sem feminino e sem plural. No caso, a oração se constrói com os verbos custar, pagar ou similares e o complemento do verbo pode ser substituído pelos advérbios pouco ou menos: Nos Emirados Árabes, a gasolina custa barato (pouco). Paguei caro (pouco) pelo litro da gasolina. Em Natal, as lagostas custam mais barato (menos) que em Campina Grande.

2. Se forem adjetivos, variam em gênero e número. No caso, a frase será construída com verbo de ligação (ser, estar, ficar, permanecer, continuar, andar): Com a elevação do preço do petróleo no mercado internacional, a gasolina ficou mais cara. Graças à safra generosa, a cesta básica está mais barata. Produtos de primeira necessidade deveriam ser mais baratos. Como as verduras estão caras!


Das Arábias

A origem de barato? Só podia ser ela. A palavra vem da língua do povo que mais sabe negociar no mundo. É o árabe. Na língua de Maomé e na de Camões, mantém o significado: baixo preço. Ora, o bolso é a parte mais sensível do corpo. Daí por que nasceu a expressão “o maior barato”. Eta coisa boa!

Justiça grande ou pequena

Foi manchete do Correio de segunda-feira: “Candidatos outra vez, 18 dos 24 deputados distritais têm problemas na Justiça”. Ao escrever o texto, pintou a dúvida. Justiça deve ser grafada com inicial maiúscula ou minúscula?

Use Justiça com letra grandona significa Poder Judiciário. Com a pequenina, nos demais casos: Candidatos outra vez, 18 dos 24 deputados distritais têm problemas na Justiça. A Justiça ordenou o pagamento dos servidores. Não agiu com justiça. Fez justiça com as próprias mãos.


A ceguinha

A expressão balança de Têmis remete à mitologia grega. Têmis é a deusa da Justiça. Aprece sempre com uma venda nos olhos, símbolo de quem distribui sentenças sem olhar a quem. Daí dizer-se que a Justiça é cega. Outra marca é a balança nas mãos. Com ela, a deusa pesa as razões de cada um. Ambas as marcas – a venda e a balança – representam a imparcialidade. Em bom português: a verdadeira justiça.


Leitor pergunta

O Brasil é autossuficiente em petróleo? Auto-suficiente? Eta dúvida!
Jane Saraiva, Boa vista

Auto- pede hífen quando seguido de h e de o (duas letras iguais se rejeitam). No mais, é tudo colado. Para manter a pronúncia, dobram-se o r e o s quando forem seguidos de palavra iniciada por essas letrinhas: auto-higiene, auto-obrigação, autodidata, autossuficiente, autorrepressão.

***

Nome de moeda: letra maiúscula ou minúscula?
Marcelo Sales, BH

O dólar sobe. O real cai. No vai e vem, um ponto permanece. É a grafia. Moeda joga no time dos vira-latas. Sem pedigree, grafa-se com a inicial pequenina: libra, lira, euro.

PESQUISA DE CONCURSOS