Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Candidatos relatam atraso de mais de 3 horas durante prova do Mapa

Após a anulação da prova objetiva para auditor-fiscal, candidatos se reúnem para discutir como serão movidos processos no Ministério Público Federal, datas, reembolso e danos morais

28/11/2017 11:57 | Atualização: 28/11/2017 13:03

Mariana Fernandes

CB/D.A Press
Após a anulação da prova objetiva do concurso público para auditor-fiscal federal agropecuário da área de medicina veterinária do Ministério da Agricultura (MAPA),  candidatos continuam relatando dúvidas e reclamações. No whatsapp um grupo se reuniu para discutir como serão movidos processos no Ministério Público Federal, datas, reembolso e danos morais. 

A prova foi aplicada no último domingo (26/11), mas após "erro material consistente na impressão gráfica dos cadernos de provas com números de gabarito 3 e 4", a banca organizadora Esaf anulou os exames e remarcou as provas objetivas para a data provável de 17 de dezembro de 2017. 

Nas redes sociais, candidatos relataram diversas irregularidades. Em alguns estados, houve atraso de mais de 3 horas para iniciar a prova. "Eu tive que fazer um boletim de ocorrência. Teve gente começando a prova apenas às 16h30", disse um candidatos. O ínico das provas estava marcado para 13h.

A veterinária Leila Sena, que fez o concurso em Brasília, contou que a prova, para ela, atrasou quase 1 hora. "Na minha sala, começamos às 13h48. A fiscal avisou na sala que houve uma troca entre as provas 3 e 4 e que as folhas seriam novamente trocadas para corrigir o problema. Mas, isso foi feito após a abertura dos lacres". 

Ainda segundo ela, no local onde eu realizou a prova, os fiscais conseguiram contornar a situação. "Pediram para todos ficarem sentados e quietos para não anular a prova. E as pessoas respeitaram. Mas, em outros estados houve mais bagunça, houve relatos de gente que foi embora com as provas ou até mesmo usou o celular. Tudo isso é proibido", contou. 

Leila também será prejudicada com a remarcação da prova, já a nova data é muito próxima das festas de fim de ano.  "Justamente por conta da prova discursiva ser no início do ano, eu me planejei para viajar antes, em dezembro. E agora será justamente na data do exame e eu já estou com tudo comprado. É muita sacanagem", desabafa. 

"Já conversei com um advogado e ele me orientou. Eu tive prejuízos e vou acionar. Todo mundo gastou com transporte e perdeu um domingo atoa. Isso pode não significar nada para algumas pessoas. Mas, para mim resultou em problema", afirmou.

Além das reclamações, há várias dúvidas não esclarecidas. Alguns querem  saber se é possível escolher novamente o local de prova, outros acham que a data deveria ser prorrogada para 2018 ( junto com a prova discursiva) e outros questionam sobre os reembolso e novos gastos com viagens e deslocamento para realizar  a seleção. "Pagamos caro no certame , eles falham e a gente que se vira? Bastava raciocinar e colocar a prova no  mesmo dia da discursiva", disse um dos candidatos. 

O Correio entrou em contato com a Esaf, mas não obteve resposta. 


O concurso


O concurso do MAPA oferece 300 vagas imediatas, sendo 60 reservadas a negros e 15 para pessoas com deficiência, para o cargo de auditor fiscal federal agropecuário da área de medicina veterinária. O salário inicial é de R$ 14.584,71, para 40 horas de trabalho semanal. 

As provas objetivas contam com 120 questões sobre português; inglês ou espanhol; direitos constitucional e administrativo e ética pública; informática básica e conhecimentos específicos. Haverá ainda provas discursivas e avaliação de títulos, na data provável de 7 de janeiro de 2018.   Para mais informações, acesse o edital

PESQUISA DE CONCURSOS