Faixa superior para impressão

Concursos

Especiais

Especialistas dão dicas sobre matérias inéditas para prova da PRF

18/08/2009 11:40

Lídia Rezende - Do CorreioWeb

O edital do concurso para a Polícia Rodoviária Federal (PRF) trouxe, além de muitas novidades, várias dúvidas para os concurseiros. Uma delas é com relação à Funrio, entidade que organizará a seleção. É a primeira vez que a empresa é escolhida para realizar o certame da PRF, que também pela primeira vez exige que os candidatos tenham nível superior. Para a prova objetiva, serão cobrados assuntos muito específicos, como física, geometria plana e primeiros socorros; esses são conteúdos inéditos nas avaliações para agente da PRF.

O concurso, que selecionará 750 novos agentes para a Polícia Rodoviária Federal, é uma das seleções mais aguardadas do ano. Muitos candidatos já começaram a se preparar antes mesmo de o edital ser divulgado. Por causa disso, diversos cursos preparatórios para concursos públicos montaram turmas de estudo dedicadas exclusivamente às provas da PRF. A dois meses das avaliações, o CorreioWeb conversou com alguns especialistas e selecionou as melhores dicas. Confira:

Funrio
"A primeira atitude a se tomar depois da divulgação do edital de qualquer concurso é pesquisar e estudar a organizadora da seleção", afirma Rosana Pires, que há 15 anos dá aulas em preparatórios para concursos. "Com a PRF não seria diferente", completa. Na opinião da professora, quem analisa cuidadosamente os métodos aplicados pela banca examinadora do certame já está à frente dos outros candidatos.

Quanto a Funrio, Rosana avisa: "essa organizadora costuma elaborar provas que chamamos de 'literais'. Isso significa que, para se sair bem nos exames, o candidato deve memorizar o máximo de informação que conseguir." A professora explica que, por causa disso, o teste objetivo pode parecer mais fácil. Afinal, quem decorou o conteúdo não precisará gastar tempo na interpretação das questões, que são elaboradas de forma simples, não sendo necessária a associação de idéias e conteúdos. Entretanto, ela lembra que qualquer erro pode eliminar o candidato, já que esse tipo de prova não indica quem se preparou melhor, mas, sim, quem acertou mais questões.

Rosana acredita também que, para a prova da PRF, a Funrio não deverá se aprofundar nos conteúdos pedidos, elaborando questões mais superficiais. Para se familiarizar com os exames da Funrio, a dica é estudar as avaliações de outros concursos que a entidade organizou.


Raciocínio Lógico -
De acordo com o professor Roberto Vasconcelos, as matérias indicadas no edital de abertura para Raciocínio Lógico foram uma grande surpresa, já que o conteúdo escolhido é muito diferente do que se esperava.

O professor explica que a disciplina está dividida em três partes: lógica, matemática e estatística. "Em matemática, o candidato deve priorizar os estudos de regra de três, divisão proporcional (proporção) e geometria. A geometria também foi dividida em espacial e plana. A geometria plana é mais importante, com destaque para noções de escala", ensina.

Com relação a estatística, Vasconcelos acredita que a prova não deve oferecer dificuldades. "Mas vale a pena estudar leitura e interpretação de gráficos; esse é o assunto que mais será cobrado nesta área". Já na parte de lógica, o professor aconselha que os concorrentes revisem questões relativas a argumentos e diagramas lógicos. "A dois meses das avaliações, é importante que o concurseiro faça muitos exercícios para treinar o conhecimento e sanar as dúvidas", finaliza.


Conhecimentos de Física
"Como a prova é uma incógnita, não podemos deixar nada de fora do cronograma de estudos", observa o professor Pablo Guimarães. Ele explica, no entanto, que a disciplina está dividida em três grandes grupos: cinemática, dinâmica e hidrostática. Na opinião do professor, em cinemática, o candidato deve prestar atenção ao que o edital chama de arremesso. "Tudo o que envolve disparos, projéteis, saltos e impulso dos movimentos é importante nesse grupo", conta.

Já no assunto 'dinâmica', o que deve ser bastante estudado é o que se refere a forças e energias. "Aqueles que querem passar, têm de saber tudo sobre energias mecânicas e relações vetoriais das forças", conta Guimarães. Em hidrostática, os destaques são flutuação e empuxo. "A melhor dica para se sair bem na parte de física é estudar através de exercícios que envolvam a aplicação da física no cotidiano de um agente da PRF. Questões desse tipo sempre são muito cobradas", aconselha.


Primeiros Socorros
"De todos os conteúdos previstos no edital, acredito que a disciplina de Primeiros Socorros é a que conta com o maior número de assuntos inéditos a serem cobrados", afirma Eduardo Luiz, capitão do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal e professor em preparatórios para concursos.

A matéria está dividida em duas partes: traumas e emergências clínicas. Com relação a traumas, Eduardo Luiz acredita que os principais assuntos a serem estudados são: fases do socorro, biomecânica do trauma, acidentes de trânsito, queimaduras, objetos encravados, contenção de hemorragia, estado de choque, traumatismo crânio encefálico, traumatismo de coluna vertebral, fraturas, luxação, entorse e reanimação cardio-pulmonar. Na segunda parte da disciplina, que trata de emergências clínicas, os itens que devem ser destacados são: parada cardíaca, crises convulsivas (epilepsia), patologias cardíacas e diabetes.

Segundo o professor, os candidatos não podem esquecer de estudar os aspectos legais das atribuições do socorrista: conceitos de negligência, imprudência, imperícia e omissão de socorro. Além disso, o concorrente deve dar mais atenção às questões que envolvem acidentes cotidianos.

A última dica do Capitão do Corpo de Bombeiros é simples, mas valiosa: "O concurseiro deve se lembrar que, em qualquer questão que fala sobre trauma na coluna, a resposta certa é não mexer nem tentar mover a vítima de lugar".


Legislação de Trânsito
Das disciplinas indicadas para a prova, Legislação de Trânsito foi a que sofreu menos alterações. "O conteúdo é praticamente o mesmo do concurso para PRF de 2004. Há poucas mudanças, e elas não são muito significativas.", afirma o professor Jayme Amorim.

Ele ensina que o candidato deve priorizar os assuntos infrações e penalidades, que estão nos capítulos 15 e 16 do Código Brasileiro de Trânsito (CBT), Competências da Polícia Rodoviária Federal, no capítulo 2 do CBT e, por último, 'veículos e habilitações', juntamente com as resoluções deste tema específico.

Além disso, o professor sugere que os concorrentes também estudem os crimes de trânsito, principalmente a recém criada Lei Seca. Amorim aconselha, ainda, que todo o conteúdo relativo a Direção Defensiva seja visto e revisto com cautela: "É a primeira vez que este tema será cobrado, qualquer assunto, qualquer detalhe sobre isso pode ser pedido na prova", adverte.


Confira mais informações no blog Papo de Concurseiro.






[an error occurred while processing this directive]