Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Perfil do servidor público de Brasília mostra envelhecimento do quadro

Estudo mostra que 44% dos funcionários do GDF têm mais de 46 anos e apenas 1,81% estão abaixo dos 25 anos

03/03/2015 09:45

Flávia Maia/ Ailim Cabral/

Ed Alves/CB/D.A Press
Alana Mendes está prestes a se aposentar: estabilidade, segurança e falta de espaço no setor privado a empurraram para o serviço público há 19 anos
O quadro de pessoal do Governo do Distrito Federal está mais velho. Com 44% dos 108.684 funcionários acima de 46 anos, o retrato do funcionalismo público local é de profissionais experientes. Em contrapartida, apenas 1,81% dos servidores têm menos de 25 anos. Na análise de especialistas, essa situação pode ser entendida de várias formas. De um lado, mostra que as poucas vagas atrativas na iniciativa privada, por falta de um setor produtivo forte, fazem com que uma carreira no serviço público do DF seja uma boa alternativa de emprego. Por isso, quem entra não quer sair e acaba dedicando toda a vida profissional ao setor público. Pode mostrar também um desinteresse dos jovens pelo serviço público. “Ao mesmo tempo, a pouca porcentagem de jovens pode indicar que eles estão com mais tempo para se preparar; por isso, se qualificam mais e vão direto em concursos de salário maior, com idade superior a 25 anos”, acredita Débora Barem, professora do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em mercado de trabalho.

Os dados com a radiografia sobre o funcionalismo público no DF foram elaborados pela Escola de Governo do Distrito Federal (Egov). Com as informações, os responsáveis pela escola pretendem planejar melhor o futuro da administração pública. Para José Wilson Granjeiro, diretor executivo da Egov, a idade dos servidores alertou para a necessidade do governo em preparar futuros concursos públicos, uma vez que muitos funcionários já estão perto da aposentadoria e será preciso repor mão de obra. “O GDF está com um quadro envelhecido. Esse estudo vai ajudar o governo a programar a reposição de quadros. Vamos ter milhares de funcionários em condições de se aposentar e em vários setores. Por isso, o governo tem que se programar para renovar os quadros — caso contrário, ou o serviço público vai parar ou ficará comprometido. Mas isso, em uma política futura.”

São perfis como o da psicóloga Alana Dias Mendes, 56 anos, que trabalha há 19 no serviço público. Ela conta que migrou do setor privado e afirma não se arrepender da decisão, apesar das dificuldades encontradas no caminho. “Pude prestar atendimento a uma classe social que tem necessidade e não tem condição de pagar. É gratificante poder fazer algo por essas crianças”, completa. Ela é servidora da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEDF) e trabalha na Escola Classe 403 Norte há 10 anos. Entre os motivos que a fizeram optar pela rede pública, estão a estabilidade e a segurança que o concurso traz e a falta do serviço de psicólogos em escolas privadas. Alana se prepara para a aposentadoria e, na semana passada, deu entrada no processo. “Vou me aposentar, mas não quero parar. Vou trabalhar em clínica de novo e fazer trabalhos voluntários com crianças.”

Como 17,23% do quadro dos funcionários do GDF, Alana tem pós-graduação — no caso dela, em educação especial e gestão de pessoas. O que mostra a alta especialização dos servidores, 39,06% deles têm nível superior. “A alta porcentagem de pessoas com pós-gradução é um reflexo da cidade de Brasília, que tem muitos centros de ensino de qualidade e as pessoas estudam mais que a média nacional. Além disso, quem se qualifica recebe as gratificações, o que é um incentivo”, explica Aldo Paviani, geógrafo, professor emérito da UnB e diretor de estudos urbanos e ambientais da Companhia de Planejamento do Distrito Federal.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

PESQUISA DE CONCURSOS