Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Para aliviar estresse da reta final de estudos, concurseiros levam os livros para o bar

A Aula de Bar, idealizada por um professor de cursinho de Brasília, ocorre na semana da prova de um concurso e propõe aliviar a tensão para o grande dia

10/07/2015 12:05 | Atualização: 10/07/2015 12:44

Sílvia Mendonça

João Vasconcelos
O professor de cursinho Rodrigo Francelino é o idealizador da Aula de Bar
A semana que antecede a realização de uma prova de concurso envolve um pacote de emoções difícil de lidar. Ansiedade, expectativa, medo, estresse... Em Brasília, alguns concurseiros encontraram uma alternativa inusitada para driblar esse compilado de anseios negativos. Como se já não bastasse ser tema frequente nas mesas de bares da capital, agora, os concursos invadiram o ambiente. A ideia, intitulada Aula de Bar, é do professor de cursinho Rodrigo Francelino, e funciona da seguinte forma: na terça-feira que antecede a aplicação de uma prova, candidatos se reúnem em um bar – fechado exclusivamente para eles – para revisar conteúdos, resolver exercícios e, por que não, beber um chopp para acalmar a mente e o corpo.

Francelino conta que a ideia surgiu durante uma aula comum em um cursinho da cidade. “Lembro que comentei: ‘Cara, que sol! Ah, se eu pudesse dar aula no bar...’ Na mesma hora os alunos acharam a proposta legal”. O professor então estudou a possibilidade com mais entusiasmo e viu que era possível. A ideia de realizar a aula na semana mais tensa da vida de um concurseiro, em vez de em um período mais tranquilo, veio da observação do comportamento dos alunos nesta época. “Essa reta final é muito estressante para o candidato. Já vi aluno chorar porque errou uma única questão na semana da prova e começou a duvidar de sua capacidade”, recorda.

O professor conta que, inicialmente, ficou preocupado com a forma como a aula seria ministrada para não dispersar a atenção do aluno. “O objetivo não é encher a lata, é apenas descontrair. Eles têm oportunidade de ter um pouquinho da vida social de volta”, conta. O primeiro evento foi um sucesso – com ingressos esgotados – e Francelino pôde confirmar algo que intuía. “O aluno que estuda para concurso tem algo que nenhum outro tem: foco. Então, mesmo em um bar, conseguimos fazer a aula fluir”, observa. A Aula de Bar conta com fotógrafo, DJ, professor convidado e, segundo o idealizador, pode ser comparada a um stand up comedy com conteúdo para concurso.

João Vasconcelos
Entre uma questão e outra, candidatos tomam um gole de cerveja
O soldado Marcus Costa, 32 anos, foi a uma Aula de Bar na semana anterior à prova que o classificou no atual cargo da Polícia Militar do DF. “Essa fase já não é mais de estudar, mas revisar. E fazer isso em um ambiente diferente ajuda muito, afasta a monotonia e a chatice da sala de aula convencional”, opina. Deborah Granatto, 30 anos, também participou de outra Aula de Bar e foi aprovada no concurso da Secretaria de Saúde do DF, nos cargos de técnica de enfermagem e enfermeira. Na época, até o marido da servidora passou para conferir o evento e aprovou a atmosfera. Ela se dedicou durante um ano, em tempo integral, para o concurso e reforça: “A pressão que sentimos na semana final é absurda. Poder ir a um bar, sem tirar o foco, é claro, foi uma ótima ideia para manter a mente calma com relação à prova”.

Até o hoje, foram realizadas 22 Aulas de Bar. A última foi voltada para o concurso de agente penitenciário, da Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal (Sesipe/DF). Atualmente, as aulas ocorrem no bar Sossega Madalena, em Taguatinga. Geralmente, elas são agendadas assim que um edital de concurso do DF é lançado e prevê a data de aplicação da prova. O candidato pode comprar o ingresso a R$ 30, além da doação de 1 kg de alimento não perecível – doado para a Associação Brasileira de Assistência a Pessoas com Câncer (Abrapec). Na entrada do bar, o candidato recebe o material de estudo e pode aproveitar a noite.

PESQUISA DE CONCURSOS