Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Concurso permite 'cola' durante provas discursivas

Especialistas em concursos explicam que a prática é legal em alguns concursos

30/06/2016 16:16 | Atualização: 01/07/2016 16:25

Do CorreioWeb

CB/D.A Press
Está com as inscrições abertas o concurso para procurador da Câmara de Dores do Rio Preto, que traz uma peculiaridade: quem for concorrer ao cargo poderá realizar as provas discursivas com consulta à ‘lei seca’. Quem ainda não participou de processos seletivos para a carreira jurídica provavelmente não sabe que a consulta de material durante a realização de provas é permitida por alguns editais.

Segundo o professor de direito administrativo do IMP Concursos Emerson Caetano, existem dois tipos de seleções que permitem a consulta da legislação seca. “Há os concursos que permitem essa consulta na fase objetiva e outros, na fase subjetiva. O mais raro é que esse tipo de recurso seja autorizado já na primeira fase, mas pode acontecer, por exemplo, em concursos para o cargo de procurador da República. Já as seleções que disponibilizam a consulta durante a fase subjetiva escrita são mais comuns, como em provas para os cargos de juiz, promotor e procurador”.

Assim, nesses casos, a legislação não representa uma “cola”, pois ela, por si só, não basta para que o candidato responda as questões. “A legislação é uma fonte de conhecimento informativo que o concurseiro vai usar para fazer a interpretação do texto e formular um raciocínio, para aí sim poder resolver a questão. A lei é aplicada em algum caso concreto que o candidato vai ter que analisar”, esclarece Caetano.

O especialista ainda diz que quando a consulta acontece em provas de etapa subjetiva, os candidatos podem levar o próprio material, contanto que estejam dentro das condições definidas pelo edital. “O material não pode ter anotação, comentários e normalmente as súmulas e a exposição de motivos também são proibidos de serem consultados. Em outras situações é a própria banca organizadora que disponibiliza a legislação, com marca d’água, em um site para que o candidato possa imprimir e levar para fazer a prova." A Ordem dos Advogados do Brasil também autoriza a consulta da legislação, mas veda a consulta de doutrinas.

De acordo com o edital do concurso, os candidatos de fato podem examinar a legislação durante a realização das provas discursivas, mas a concessão é somente para o cargo de procurador jurídico. O material não deve conter nenhuma anotação e deve ser entregue ao fiscal da sala antes do início da aplicação dos exames para ser vistoriado.

Saiba mais: Câmaras municipais reúnem quase 300 vagas com inscrições abertas

Segundo Emerson, outros tipos de consulta não são comuns. Mas ele afirma que “no passado houve concurso em que se podia levar livros para consultar". Ele afirma que a concessão não depende da banca, mas que é o edital que indica se o candidato pode ou não fazer consulta.

PESQUISA DE CONCURSOS