Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Conselho Federal de Serviço Social está com vagas abertas; confira dicas de estudo

Os salários vão de R$ 2,6 mil a R$ 5,9 mil para jornada de 30 horas semanais. As provas serão em janeiro de 2017

19/12/2016 09:10

Talita de Souza *

Gabriela Studart/Ep/CB/D.A Press
Daniel estuda de seis a oito horas por dia para o concurso
O Conselho Federal de Serviço Social (Cfess) está com quatro vagas abertas para interessados em trabalhar na instituição, que orienta e fiscaliza o serviço social no país. São duas oportunidades para analistas, com remuneração de R$ 5.951,14, que podem ser ocupadas por formados em qualquer curso de nível superior. Para nível médio, há duas vagas de assistente técnico administrativo, com salário de R$ 2.609,19. Ambos os cargos têm jornada de 30 horas semanais. O concurso terá duas etapas: a primeira consiste em provas objetiva e discursiva, e a segunda é a avaliação de títulos, que pode elevar em até quatro pontos a nota final. O certame será composto por 40 questões de múltipla escolha, com quatro opções em cada uma, de língua portuguesa (10), raciocínio lógico (5), conhecimentos gerais (5) e conhecimentos específicos (20). O teste discursivo será uma redação de 20 a 30 linhas sobre um tema constante no conteúdo de conhecimentos específicos.

A resolução do Cfess nº 469/2005 é cobrada para ambos os cargos e é de suma importância. “A resolução trata do estatuto do conselho, e é essencial que os candidatos saibam como funcionam e quais as instâncias deliberativas da instituição. Sendo um órgão colegiado, as decisões são tomadas de forma democrática, diferentemente do caso de um chefe, que decide sozinho”, afirma Esther Lemos, vice-presidente do Cfess. Ela aconselha aos concurseiros ler a resolução como um todo e buscar mais informações no site www.cfess.org.br, visto que o documento apresenta formalmente o que é o Conselho Federal de Serviço Social e, no site, é possível conhecer a dinâmica do serviço prestado pela organização. Esther deixa claro que os selecionados trabalharão na sede do Cfess, mas as atividades desempenhadas transcendem a capital federal. “Temos conselhos em todos os estados e no Distrito Federal. Então, as funções desempenhadas pelos novos membros envolvem o país”, conclui.

O Cfess é regulado pela lei nº 8.662/1983, também cobrada no certame. O professor Welber Gontran, do curso preparatório on-line de serviço social que leva o nome dele, sugere que os alunos foquem nos artigos 4º e 5º, que tratam das competências do assistente social e das atribuições privativas. “Pelo que tenho visto, 90% das bancas de concursos que tratam da área cobram esse conhecimento, pois podem confundir os candidatos com ele. Na prova, uma competência pode ser afirmada como atribuição privativa e vice-versa”, afirma. Para não cair em um “peguinha”, o professor simplifica as premissas básicas: as competências relatadas no artigo 4º dizem respeito às atividades que não são exclusivas do assistente social e podem ser executadas por outros profissionais. “Por exemplo, uma competência que está na lei é ‘elaborar, implementar, executar e avaliar políticas sociais junto a órgãos da administração pública’. Essa é uma atividade que não cobra uma habilidade técnica exclusiva do serviço social. Um historiador, sociólogo, economista ou antropólogo poderá desempenhá-la”, pontua.

As atribuições privativas, descritas no artigo 5º, exigem um conhecimento técnico específico, ou seja, podem ser executadas somente pelo assistente social. “Um exemplo disso é ‘coordenar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar planos, pesquisa e projetos na área de serviço social’. Nesse caso, está bem delimitado que só o graduado pode fazer. Resumindo, as atribuições privativas são indelegáveis, e as competências profissionais são compartilháveis”, ressalta. Outra matéria comum aos dois cargos é a de raciocínio lógico. Apesar da extensão do conteúdo, as disciplinas cobradas não são complexas, é o que acredita Marcos Piñon, professor da disciplina no Estratégia Concursos. Dentre os assuntos listados, Marcos chama a atenção para probabilidade e lógica argumentativa, assuntos que mostram ser de mais difícil compreensão.

“Outros assuntos que não têm teoria específica e, por isso, exigem bastante treino com exercícios são as sequências lógicas envolvendo números, letras e figuras. Também são muito cobrados análise combinatória e conjuntos”, afirma. Para melhor aproveitamento nos estudos, Marcos aconselha dispensar a calculadora na resolução dos itens e praticar os cálculos de forma manual, além de resolver várias questões de provas anteriores. “Se o aluno tiver estudado e revisado o conteúdo, pode realizar alguns simulados, marcando o tempo necessário para a resolução dos itens, mas sem demorar mais de três minutos em média para cada um”, orienta.

Quero chegar lá
Daniel Moura de Paula, 26 anos, não se intimida com a pouca quantidade de vagas. “Na verdade, até me sinto encorajado por isso, pois sei que muitos desistem por ver o número pequeno de oportunidades. Além disso, a carga horária do posto (30 horas semanais) também foi um motivo para eu querer prestar o concurso. No cargo, terei tempo para continuar estudando e conseguir meu objetivo final, que é ser servidor da Câmara dos Deputados”, conta. O carioca é teólogo e técnico em edificações e está em Brasília desde o começo do ano. Ele dedica de seis a oito horas diárias aos estudos, entre videoaulas, apostilas, anotações e exercícios. “Em geral, gasto de uma hora a uma hora e meia em cada disciplina. O conteúdo de administração me consome, às vezes, três horas, pois é um campo muito aberto, quase um resumão da faculdade. A dificuldade está em gravar tudo”, afirma ele, que concorrerá ao cargo de analista.

* Estagiária sob supervisão de Ana Paula Lisboa
 
Passe bem / Lei nº 8.662/1993
 
Segundo a lei de regulamentação profissional em seu artigo 4, no que tange as competências profissionais do assistente social, é correto afirmar o seguinte:
a) coordenar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar estudos, pesquisas, planos, programas e projetos na área de Serviço Social.
b) treinamento, avaliação e supervisão direta de estagiários de Serviço Social.
c) dirigir serviços técnicos de Serviço Social em entidades públicas ou privadas.
d) assessoria e consultoria de órgãos da Administração Pública direta e indireta, empresas privadas e outras entidades, em matéria de Serviço Social.
e) planejar, organizar e administrar benefícios e Serviços Sociais.

Comentário:
Os artigos 4º e 5º da lei que regulamenta a profissão trata de competências e atribuições privativas. A letra A não responde a questão, pois, nela, temos bem delimitada a atribuição “na área de Serviço Social”, fato que nos indica se tratar de uma atribuição privativa. A alternativa B fala de treinamentos, supervisões de estágio não em qualquer área, mas, sim, em serviço social, o que se refere a uma atribuição privativa de domínio técnico exclusivo. A letra C fala da direção de serviços técnicos em serviço social, sendo também uma atribuição privativa. Na letra D, está explicitado que a assessoria a órgão da administração pública é em matéria de serviço social, logo, é uma atribuição privativa.

Questão retirada da prova da Funrio para a Universidade Federal do 
Recôncavo da Bahia para assistente social, aplicada em 2015, comentada 
pelo professor Welber Grontan
 
O que diz o edital
Concurso público do Conselho Federal de Serviço Social
Inscrições: encerradas na última quinta-feira (15). Acesse o edital pelo site www.consulplan.net
Vagas: quatro
Salário: R$ 2.609,19 (assistente técnico administrativo) e R$ 5.951,14 (analista)
Provas: 15 de janeiro de 2017 pela manhã (cargo de analista) e pela tarde (assistente técnico administrativo)
Local: Brasília
 
Gabarito: letra E

PESQUISA DE CONCURSOS