Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

"Não faz sentido sermos atacados a cada processo seletivo", diz diretor do Hospital de Base

Reação veio após suspensão de segundo processo seletivo

05/04/2018 17:00 | Atualização: 05/04/2018 17:29

Otávio Augusto

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Após  a Justiça do Trabalho do Distrito Federal (TRT 10) contestar o segundo processo seletivo para a contratação de profissionais para o Instituto Hospital de Base (IHB), a direção unidade repudiou a decisão. O diretor-presidente do IHB, Ismael Alexandrino, ressaltou que a determinação tem “equívocos conceituais”. Ao todo, 15 mil pessoas se inscreveram para concorrer a 774 vagas de emprego.

O TRT considerou que os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e da eficiência não foram respeitados. "Sequer foi localizado um edital, nem a notícia da contratação de organizadora do certame, mas apenas a  disponibilização de 66 vagas para diversas funções”, destaca a decisão. Seriam contratados 66 profissionais de áreas técnicas.

Ismael discorda. “Não faz sentido sermos atacados a cada processo seletivo. Nosso modelo jurídico é privado. Essa é a única forma de contratação”, explica. "Tanto se fala em falta de gestão, mas quando se faz alguma coisa somos tolhidos”, conclui. Segundo Ismael, se não houver contratações mais 70 leitos, sendo 10 de UTI serão fechados por falta de mão de obra. Atualmente, 117 estão bloqueados.

Está suspensa a contratação para analista de compras, engenheiro clínico, técnico em manutenção, assistente de faturamento, médico auditor, farmacêutico, entre outras. Os salários variam de R$ 1,9 mil a R$ 8 mil. Alguns cargos são de carga horária de 44 horas semanais. Até as 16h50 de hoje, o Hospital de Base não havia sido notificado da suspensão do segundo processo seletivo.

Em 20 de março, a Justiça do Trabalho suspendeu o processo seletivo para a admissão de 708 pessoas.  Entre os motivos, foi a remuneração proposta no certame que “indicava redução salarial típica de precarização”. Após a reforma administrativa, os funcionários passaram a ser admitidos com base no regime da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), ou seja, não serão concursados.

Além disso, a decisão apontou que foi concedido um prazo de inscrição inferior aos candidatos portadores de deficiência, destacando tratamento discriminatório. Ismael rebate. “Não existe nenhum registro de pessoa com deficiência que tenha tentado se inscrever e  não tenha conseguido”, explica. Ao todo, mais de 30 pessoas com deficiência de candidataram aos postos de trabalho.

O Hospital de Base pretendia lançar, nesta quinta-feira (5/4), um edital para a contra de pessoas com deficiência. “O processo seletivo para a contratação de 47 pessoas com deficiência para áreas administrativas está pronto. Iríamos lançar o processo, após os entendimentos da justiça vamos espera mais um pouco”, pondera.

PESQUISA DE CONCURSOS