Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Quem presta concursos não pode se intimidar pela cobrança ou crítica alheias

01/08/2016 16:05 | Atualização: 01/08/2016 16:09

William Douglas

Maurenilson Freire/CB/D.A Press
O serviço público é uma bela carreira e o concurso uma opção digna, bonita, interessante, algo que vale a pena. Algo que pode ser o fim principal ou apenas periférico ou temporário. Seja como for, o concurseiro é quem escolhe e – nesse campo – não existe escolha errada, mas sim a eleição de um dos caminhos válidos para buscar nossa própria felicidade, o sucesso pessoal, a mudança de realidade. Quem está prestando concursos não pode se intimidar pela cobrança ou crítica alheia, quem se prepara para concursos deve vestir a camisa e ter orgulho de sua opção, que contribui para um país mais justo, uma sociedade mais eficiente.

Eu, enquanto “guru” dos concursos e juiz federal premiado por produtividade visto a camisa dos concursos e do serviço público com muito orgulho. Sou um grande defensor da carreira pública como opção válida para uma vida digna e acredito que vestir a camisa é uma forma de programar sua mente para o desafio, é mudar sua programação mental para enfrentar todas as barreiras que estão entre você e o seu sucesso.

Algumas vezes quis ter uma camisa real que dissesse para todos o que penso a respeito dos concursos, da preparação; que dissesse que esta é uma escolha para se orgulhar, como um outdoor das minhas próprias escolhas e da onde me levaram, uma forma de mostrar uma boa atitude, de assumir, de brincar, de dizer o que passa na mente e no coração de um concurseiro. Sem a camisa real, me valho de artigos, livros, vídeos, de toda a consultoria que presto pelo meu site e redes sociais e também do trabalho de qualidade que ofereço e construo na justiça e em palestras por todo o país.

Acredito que os concurseiros que estão entrando no serviço público estão mudando a cara do funcionalismo e, se isso acontecer, o país também vai mudar de cara, vai ser mais igual, com menos iniquidades, crime e fome.

Você faz parte de uma confraria de estudo e dedicação, de lutas e de provas, de sacrifícios e de reinícios, de algumas ou muitas reprovações (que, se acompanhadas de algum aprendizado, chamo de "fracassos gloriosos", dos quais já tive muitos), mas também uma confraria que, cedo ou tarde, é de aprovação, bastando uma. Por isso, concurseiro, é com alegria que o convido a vestir a camisa dos concursos e lutar ao meu lado por um novo serviço público!

PESQUISA DE CONCURSOS