Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Brasilienses que se preparam para concursos dizem o que acham da terceirização

Confira a opinião de concurseiros sobre o assunto

10/04/2017 10:19 | Atualização: 10/04/2017 10:36

Michael Rios*/ Lis Gabriela Cappi*/

Arquivo Pessoal
Pedro Renato, Raíssa e Ingrid
  Especialistas divergem quanto à possibilidade de a nova norma da terceirização afetar ou não os órgãos  públicos e, consequentemente, a abertura de certames. Mas, o que pensam os concurseiros?


Pedro Renato dos Santos, 20 anos, estudante de administração
“Decidi fazer concursos porque não estou trabalhando. Uso o tempo livre para me capacitar e conseguir me aprimorar enquanto termino a faculdade. Além disso, sempre quis entrar no serviço público. Acredito que as novas regras da terceirização não vão afetar esse setor, que deve permanecer como está.”

Raíssa Alessandra Vieira Monção, 24 anos, graduada em relações internacionais
“A Lei da Terceirização é desmotivadora para quem está estudando há muito tempo. Pelo que vi, essa norma vai diminuir as chances de concursos serem abertos. Também acho que, quando editais forem lançados, eles terão menos vagas do que o costume. Eu não vou parar de estudar por causa disso, pois sei que o serviço público não vai ser todo terceirizado. Além disso, a questão é problemática para a sociedade como um todo, pois pode haver pouco treinamento e muita rotatividade entre os funcionários terceirizados.”

Ingrid Barbosa, 21 anos, aluna do 3º ano do ensino médio
“Eu me matriculei no cursinho para concursos porque pretendo atuar na carreira jurídica e este é o momento de começar a me preparar. Tenho um familiar concursado e recebi ajuda nesse começo. Quando soube da Lei da Terceirização, cheguei a ficar com receio, mas isso não me afetou, meus colegas não ficaram desmotivados e nossa rotina de estudos continua a mesma, sempre de segunda a sexta pela manhã.”

Arquivo Pessoal
Pedro Eduardo, Silvia e Catarina
Pedro Eduardo, 17 anos, aluno do 3º ano do ensino médio
“Foi meu pai quem me incentivou a apostar em concursos públicos porque chegou a hora de escolher o que quero fazer depois de terminar a escola. Não sei se a terceirização chegará a me afetar, mas tenho visto discussões nas redes sociais e muita gente diz que isso é ruim porque faz as pessoas virarem ‘escravas’ do governo. Mesmo assim, acredito que essa legislação pode ser boa porque é capaz de render novas oportunidades e diminuir o número de desempregados.”

Silvia Frabetti, 45 anos, Empresária autônoma
“Já trabalhei em empresa privada e vejo que o setor público garante um futuro mais seguro para o trabalhador, por isso resolvi começar a prestar concursos. Nos dois últimos anos, houve redução no número de vagas abertas nos órgãos. Então, a tendência é que a Lei da Terceirização nos afete, sim, e haja uma diminuição ainda maior na oferta de seleções públicas. Inclusive vários órgãos contam com empregados terceirizados: meu irmão, por exemplo, trabalha dessa maneira no Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.”

Catarina Farias, 27 anos, graduada em serviço social
“Comecei a fazer cursinho para concursos públicos porque minha área de formação geralmente está ligada a esse setor. A terceirização é uma nova onda que vai acabar com direitos trabalhistas. Eu me sinto afetada por essa nova lei porque é como se ela tirasse a responsabilidade do governo de gerar empregos nos órgãos por meio de concursos e dá a ele facilidade para trocar de profissionais gastando menos.”

Leia também:Como ficam os concursos com a terceirização?

*Estagiários sob supervisão de Ana Paula Lisboa

PESQUISA DE CONCURSOS