Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

SES/DF seleciona médicos e outros profissionais para residência médica

A bolsa auxílio é de R$ 3,3 mil para jornada de 60 horas

21/11/2017 09:22

Igor Caíque */ Felipe de Oliveira Moura*/

Arquivo pessoal
Larissa Dutra ainda está na graduação e tentará uma vaga em pediatria
Profissionais de saúde que desejam se especializar e, ao mesmo tempo, adquirir experiência prática podem apostar no processo seletivo de residência médica e multiprofissional da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF). São 425 vagas para graduados em medicina e 250 para formados em enfermagem, odontologia, fisioterapia, nutrição, farmácia, saúde coletiva, fonoaudiologia, psicologia, serviço social e terapia ocupacional. Os aprovados ganharão bolsa de R$ 3.330,43 (com adicional de auxílio-moradia de R$ 990 para quem mora fora de Brasília) para jornada de 60 horas semanais em unidades da rede pública de saúde. As inscrições do concurso estão encerradas e os inscritos precisam intensificar a preparação, já que faltam poucos dias para a prova, que será em 3 de dezembro.


A seleção é composta por duas fases. A primeira é a parte objetiva, com 120 questões de certo e errado. A segunda etapa, por sua vez, é a avaliação curricular. A residência terá duração de dois a três anos, conforme a área pretendida. Para a coordenadora de Residência Médica da Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs), Juliana Soares, esse tipo de experiência intensiva traz ganhos para todas as partes envolvidas. “A residência completa a formação de forma específica e qualificada e quem ganha com isso é a população, que será atendida por melhores profissionais”, diz. Além disso, ela explica, “um hospital  que acolhe residentes, recebe repasses especiais que aumentam o orçamento e melhoram a qualidade dos serviços”.

 

Como se preparar

Para Ana Cláudia Cavalcante Nogueira, professora de clínica geral na Universidade Católica de Brasília (UCB) e preceptora da residência em cardiologia no Hospital de Base do DF, os candidatos devem estudar a partir da análise de casos reais. “As provas são elaboradas conforme quadros clínicos do dia a dia. Pode ser que tenha uma questão que apresente um paciente com insuficiência cardíaca ou hipertensão, por exemplo. O candidato deve avaliar qual é o melhor diagnóstico”, explica. Especialista em cardiologia pela Santa Casa de Misericórdia de Goiânia, ela acredita que, no caso de candidatos médicos, é preciso focar em temas como neurologia e pneumologia. “Sempre há questões destas áreas”, destaca. “Se o aluno tiver total dedicação durante a faculdade, estará bem preparado para a prova”, comenta Alberto Vilar Trindade, coordenador do curso de medicina do Centro Universitário de Brasília (Uniceub).


Formado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), ele acredita que a maior dificuldade que os candidatos enfrentam em seleções como essa é a quantidade de conteúdo. Para aqueles candidatos que não souberam aproveitar a fase da graduação, o médico recomenda o estudo por meio de análise sobre as doenças mais comuns em cada especificidade, como Acidente Vascular Cerebral (AVC), hipertensão e pneumonia. “É isso o que a prova exige do candidato”, diz. Alberto afirma, também, que a participação em projetos extraclasse é um diferencial no currículo dos inscritos. “Quem participou de seminários, discussões sobre casos clínicos e fez apresentação de sessões clínicas, com certeza, vai ter melhor desempenho”, conclui. O coordenador de medicina nas Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central (Faciplac), Andersen Charles Darós, acredita que o programa de residência é fundamental para o desenvolvimento profissional. Segundo ele, muitos se baseiam apenas no conhecimento agregado na graduação para a atuação profissional, mas esclarece que isso não é suficiente.


“Todo estudante da área deve entrar no curso pensando na residência. O aluno precisa estudar durante o curso inteiro. Não adianta levar a faculdade na maciota e se preocupar em estudar quando estiver no internato ou nos estágios de enfermagem ou fisioterapia, por exemplo”, avalia. O médico, formado pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, acredita que os candidatos devem dedicar pelo menos três horas por dia à preparação. “O foco não deve estar só nas áreas básicas da saúde. Os médicos e os demais que vão tentar a residência multiprofissional devem priorizar, também, o inglês, pois a linguagem científica ainda é, majoritariamente, escrita nesse idioma e quem tiver conhecimento na língua terá um diferencial”, acrescenta.

 


Quero minha vaga

Larissa Dutra, 25 anos, cursa medicina na Universidade Católica de Brasília (UCB) e pretende fazer residência em pediatria. Em meio ao frenético ritmo de estudos, visto que está no último semestre da faculdade, encontra tempo para se dedicar ao objetivo paralelo. “Todos os dias separo algumas horas para estudar”, afirma. Larissa ansiava pela prova desde o início da graduação. “Nos últimos dois anos, fiz um cursinho específico. Nos últimos três meses, passei a refazer testes anteriores da própria SES.”

Passe bem / Clínica geral

Uma paciente com 21 anos de idade no terceiro trimestre da gestação compareceu ao hospital com quadro de dispneia intensa havia uma hora, com início logo após ela ter acordado. A paciente não tem histórico de doença pulmonar. Ao exame físico, apresentava-se afebril, acianótica, com saturação de oxigênio à oximetria de pulso de 87%. Apresentava extremidades frias, sudorese profusa, com batimento de asa de nariz e uso de musculatura acessória. A frequência respiratória era de 32 irpm, a pressão arterial de 152 mmHg × 76 mmHg, a frequência cardíaca de 121 bpm. Observou-se, ainda, turgência jugular a 30º e ictus cordis normal. A ausculta cardíaca revelou ritmo cardíaco regular em dois tempos com sopro diastólico no quinto espaço intercostal esquerdo. Estertores crepitantes até o ápice e bilaterais foram também observados à ausculta pulmonar. Os demais sistemas não apresentavam alterações significativas ao exame clínico. O eletrocardiograma demonstrou taquicardia sinusal e sobrecarga atrial esquerda. A respeito desse caso clínico, julgue os itens que se seguem.

- O metoprolol intravenoso pode ser indicado para a paciente.

- Caso a paciente seja submetida a ecocardiograma, é provável que o exame revele disfunção sistólica do ventrículo esquerdo.

- Nesse caso, é indicado o uso de suplementação de oxigênio: três litros por minuto, sob cateter nasal.

- O tratamento para essa paciente inclui o uso de furosemida intravenosa de imediato.

Comentário:
O quadro clínico é de edema agudo de pulmão em uma paciente portadora de estenose mitral. As alterações hemodinâmicas fisiológicas da gravidez, como aumento da frequência cardíaca e do volume sanguíneo circulante foram a causa da descompensação clínica. O betabloqueador (metoprolol) reduz a frequência cardíaca, aumentando o tempo da diástole ventricular, permitindo maior esvaziamento do átrio esquerdo. Os achados ecocardiográficos esperados são: aumento do átrio esquerdo e da pressão pulmonar, estenose da valva mitral e função contrátil do ventrículo esquerdo normal. A suplementação de oxigênio está indicada para pacientes em insuficiência respiratória (frequência respiratória: 32irpm; e oximetria de pulso: 90%). Além do betabloqueador e do oxigênio, essa paciente deve receber diuréticos (para reduzir a congestão pulmonar), morfina e nitroglicerina (reduzir a pré-carga e consequentemente a congestão pulmonar) endovenosos.

Questão retirada do processo seletivo de residência médica de 2016, comentada pela professora Ana Cláudia Cavalcante Nogueira.

 

O que diz o edital

Processos seletivos de residência médica e multiprofissional da Secretaria de Saúde do DF

Inscrições: encerradas em 10 de novembro, confira os editals em goo.gl/AWndhR (médicos) e em goo.gl/V2PPos (outros profissionais)

Vagas: 425 para médicos e 250 para outros profissionais de saúde

Bolsa-auxílio:
R$ 3.330,43, além de R$ 990 de auxílio-moradia para quem não reside em Brasília

Provas: 3 de dezembro

Local de prova: Brasília


Gabarito: V, F, V, V

*Estagiários sob supervisão de Ana Paula Lisboa


PESQUISA DE CONCURSOS