Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Polícia Civil do DF confirma abertura de concurso e já escolhe organizadora

Há possibilidade de que o regulamento seja publicado ainda este ano

15/12/2015 11:22 | Atualização: 15/12/2015 11:58

Lorena Pacheco

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
A quem ainda amargura um 2015 fraco para concursos no Distrito Federal, saiba que há uma luz no fim do túnel. A Polícia Civil (PCDF) confirmou ao Correio que vai abrir seleção pública para perito criminal ainda este ano ou, no mais tardar, no começo de 2016. Serão oferecidas 100 oportunidades, sendo 20 imediatas e 80 para formação de cadastro reserva.

Para organizar as etapas do concurso, a Procuradoria-Geral do DF já atestou a viabilidade de contratação do Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades), por meio de dispensa de licitação. Se a banca seguir o mesmo modelo da seleção passada, em 2011, haverá prova objetiva e discursiva, exame biométrico, avaliação médica, investigação social, prova de títulos e curso de formação.

A seleção foi autorizada em dezembro de 2014, mas não figurou entre os seis concursos do DF que tiveram a autorização revogada, de acordo com publicação do Comitê de Governança de Pessoal divulgada no Diário Oficial no mês passado, e está fora do rol de suspensões de concursos locais, estabelecido pelo decreto 36.777, de setembro deste ano, já que o concurso atende necessidade de área fim da Secretaria de Segurança.

Há quatro anos, quando o último edital para o cargo foi lançado pela Fundação Universa, foram abertas 58 chances, sendo 14 de provimento imediato e 44 para cadastro reserva. O salário, à época, foi de R$ 13.368,68, referente a uma jornada de 40 horas semanais. Para participar, exigiu-se diploma de nível superior nos cursos de física, química, ciências biológicas, ciências contábeis, ciência da computação, informática, geologia, odontologia, farmácia, bioquímica, mineralogia ou engenharia.

Sindicato
A quantidade de vagas a serem abertas, porém, desagrada o Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol/DF), já que atualmente, de acordo com a representação da categoria, a PCDF conta com 400 cargos de perito, sendo que apenas 190 estão ocupados. Sem falar que, em 2016, cerca de 20 a 30 servidores deverão se aposentar.

Segundo Luciano Vieira, diretor de comunicação da entidade, mesmo se todos os cargos da corporação estivessem preenchidos o quantitativo ainda ficaria abaixo do que o DF precisa. “As vagas vão ficar abaixo do mínimo do contingente necessário. Hoje, por exemplo, cobrimos 100% dos locais de arrombamento e acidentes com vitimas, se ficar assim vamos deixar de oferecer serviços essenciais, porque o pessoal está sobrecarregado, no limite”.

Para contornar a situação, Vieira defende que o novo concurso tenha mais vagas ou que as nomeações dos aprovados seja feita imediatamente após a homologação, já que se trata de um processo seletivo longo. “Geralmente um concurso policial, com curso de formação, demora muito. Um dos certames mais rápidos que tivemos, desde a publicação do edital até a nomeação, foi concluído em torno de 18 meses. Então temos que pensar mais à frente e não fazer nomeações a conta-gotas, quanto mais rápido melhor”.

PESQUISA DE CONCURSOS