Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Mestre em estatística desenvolve software que calcula chance de aprovação em concursos

Você gostaria de saber em números o quanto tem chance de passar na seleção dos seus sonhos? Nova tecnologia promete contabilizar seu desempenho e guiar os estudos até a aprovação

08/03/2016 09:27 | Atualização: 10/03/2016 16:53

Lorena Pacheco

Divulgação
Victor Maia, fundador da Máquina de aprovação
Não seria maravilhoso poder contabilizar quantas chances temos para passar em um concurso público? Ao invés de ficar só imaginando o dia em que isso seria possível, Victor Maia, especialista em aprendizagem pela Universidade da Califórnia e mestre em estatística pela Universidade de Brasília, colocou a mão na massa e desenvolveu um software com esse objetivo. A Máquina da aprovação pretende calcular as chances de um candidato em ser aprovado de acordo com seu tempo de estudo, suas habilidades e área de interesse. O fundador da tecnologia assegura que, utilizando o método, com cerca de 10 a 20 horas de estudo por semana, a aprovação em seleções públicas passa a ser em média 48% mais rápida.

A ideia partiu de um desejo pessoal de Victor em passar para o cargo de perito da Polícia Federal, posto que conseguiu ocupar graças ao software. Mas nada de passe de mágica, o sonho foi conquistado após quatro anos de dedicação. “Queria saber meu desempenho, o que precisava melhorar. Com o tempo passei em diversos concursos - como para agente da PF, com só quatro meses de estudo, além da Controladoria-Geral da União (CGU) e Previc -, e até hoje já ajudei muitos concurseiros que atribuem seu sucesso ao software”.

Para entender melhor como a Máquina de aprovação funciona, o fundador compara sua metodologia com um GPS, que te informa onde você está (em termos de conhecimento), você decide onde quer chegar (qual carreira ou concurso seguir) e ele traça a melhor rota para seu destino (a aprovação). São quatro fases básicas:

Avaliação:
o candidato é submetido a um primeiro simulado em que seu desempenho nas disciplinas é comparado às notas dos concurseiros aprovados no último concurso do órgão, para saber se o quanto ele conhece é suficiente para ser classificado. A partir daí, em um cálculo que envolve a quantidade e o peso das questões, uma porcentagem de conhecimento já acumulado pelo candidato é gerada pelo sistema. Segundo Victor, a tecnologia funciona, pois os concursos dos órgãos são muito similares e existe uma dificuldade intrínseca de cada seleção que permite tal comparação.

Escolha:
a partir do desempenho dos candidatos no simulado, o sistema fornece um feedback com qual carreira o candidato mais poderia ter sucesso e passar em um concurso. Ou seja, o software te ajuda a escolher qual rumo seguir de acordo com seu conhecimento adquirido. Para Victor, trata-se de uma dica preciosa. “Mesmo que o candidato tenha consciência do cargo que quer, nem sempre será a escolha mais sensata. Primeiro é preciso ver o que é palpável, a carreira em que você demonstra mais afinidade, para se fazer a escolha mais eficiente”.

Planejamento:
Com a carreira definida, parte-se para o planejamento dos estudos. Aqui se calcula não só o tempo necessário para estudo diário de cada disciplina, como também indica qual tema você já tem mais conhecimento e não precisa se dedicar tanto e qual assunto você tem que entender melhor e estudar mais. “Você pode achar que é bom em português, mas é relativamente ruim com relação aos outros candidatos do concurso passado, por exemplo, e o software te diz isso para você não perder tempo. É preciso estudar mais o que não sabe e o que cai mais nos exames”, afirma Victor. Segundo ele, com um planejamento detalhado, em três semanas as pessoas já adquirem o hábito de estudar e conseguem descansar após alcançar as metas de estudo sem culpa, o que diminui a ansiedade inerente dos concurseiros que, por sua vez, o faz dormir melhor e aprender mais.

Estudo: nessa fase são indicadas leituras, feitos mais simulados (com correção de questões objetivas e discursivas), e ensinadas técnicas de estudo e motivação para o aluno continuar estudando.

Como se trata de uma tecnologia que se assemelha ao serviço de um coaching de concursos, só que com a estatística como grande aliada, o software tem vagas limitadas para o acompanhamento devido da evolução dos candidatos e, tirando o simulado inicial de avaliação, as outras etapas são pagas.

PESQUISA DE CONCURSOS