Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Planejamento autoriza 600 vagas para o Ministério da Agricultura

Serão 300 postos permanentes para fiscal agropecuário e 300 temporários para médicos veterinários; salários iniciais devem ser de R$ 13.166

19/07/2017 06:00 | Atualização: 19/07/2017 12:47

Hamilton Ferrari - Especial para o Correio

Beto Barata/PR - 7/6/17
Maggi, da Agricultura, tenta, desde a Operação Carne Fraca, derrubar barreiras impostas ao produto brasileiro


Concurseiros, podem se preparar. O Ministério do Planejamento autorizou concurso para o preenchimento de 300 vagas permanentes de fiscais agropecuários e de 300 postos temporários para médicos veterinários. A meta é reforçar a fiscalização sanitária no país, serviço realizado pelo Ministério da Agricultura. Os salários iniciais devem ser de R$ 13.166.

Segundo publicação desta quarta-feira (19/7), no Diário Oficial da União, as 300 vagas autorizadas em concurso público são para o cargo de auditor fiscal federal agropecuário - médico veterinário. O edital de abertura também deve ser publicado em até seis meses, contados a partir da publicação da portaria.

Haverá também processo seletivo simplificado com 300 chances para médicos veterinários, para atender necessidades temporárias de excepcional interesse público. Os aprovados serão contratatos para atuar em atividades de inspeção em turnos de abate na produção de carne. O prazo de duração dos contratos deverá ser de até um ano, prorrogável desde que com justificativa com base na necessidade. 


A decisão de ampliar o quadro de fiscais e médicos — todos classificados como analista fiscal agropecuário — decorre da crise que vive o serviço sanitário no país. O Brasil está perdendo mercados importantes para a carne bovina, como os Estados Unidos, por suspeitas de doenças devido à fiscalização deficiente.

Leia também: Abin recebe autorização para abrir novo concurso público

Fragilidade

A fragilidade do sistema sanitário foi exposta por meio da Operação Carne Fraca, deflagrada em março último pela Polícia Federal. Descobriu-se, ali, que fiscais recebiam propina para liberar a comercialização de produtos estragados. Somente a JBS, conforme depoimento de Joesley Batista, pagava “mensalinhos” de até R$ 20 mil aos servidores.

O governo vem fazendo um amplo trabalho de divulgação da carne brasileira. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, faz um périplo pelo mundo para tentar derrubar barreiras que foram impostas à carne nacional depois da Carne Fraca. Nos últimos dias, esteve nos Estados Unidos. Ele acredita que o mercado norte-americano para o produto brasileiro será reaberto em 60 dias.

E ainda: Edital do concurso do Tribunal Superior do Trabalho sai em agosto

O Ministério da Agricultura tem reclamado, sistematicamente, da falta de fiscais. Muitos profissionais se aposentaram nos últimos anos ou estão em idade de saírem da ativa. Isso torna a fiscalização mais frágil, o que foi colocado por vários dos parceiros comerciais do Brasil.

O Planejamento reconhece que o momento é de aperto orçamentário, mas ressalta que há áreas do serviço público que precisam ser reforçadas. Uma delas é a de fiscais agropecuários. Outra, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para a qual foi autorizado concurso com 300 vagas.

Diante da premência de se reforçar o quadro de fiscalização do Ministério da Agricultura, a perspectiva é de que o edital para o preenchimento das 600 vagas seja publicado ainda neste segundo semestre, para que a seleção ocorra até o fim do ano.


PESQUISA DE CONCURSOS