Concurso, CorreioWeb, Brasília, DF

publicidade

Tudo por uma vaga no concurso do TRF do Nordeste

Órgão oferece 14 oportunidades de analista e técnico administrativo, além de formação de cadastro de reserva, em seis estados. Salários variam de R$ 6,3 mil a R$ 10,4 mil

19/10/2017 09:55

Igor Caíque *

Arquivo pessoal
Ana Júlia está confiante de que se tornará técnica administrativa
O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) está com concurso público aberto para o provimento de 14 vagas, além de formação de cadastro de reserva. As oportunidades são para níveis médio (salário de R$ 6.376,41) e superior (salário de R$ 10.461,90). Os aprovados terão jornada de trabalho de 40 horas semanais e atuarão em um dos seis estados de abrangência do órgão: Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. A banca examinadora é a Fundação Carlos Chagas (FCC). Para candidatos de ensino médio, há seis vagas no cargo de técnico judiciário nas áreas de segurança e transporte (uma na Paraíba — que exige carteira de habilitação nas categorias D ou E) e administrativa (duas vagas em Pernambuco, duas na Paraíba e uma no Rio Grande do Norte). Nos demais estados, o órgão oferece formação de cadastro de reserva para essas áreas e para informática.


Os participantes com graduação disputarão oito vagas de analista judiciário. São sete áreas diferentes: judiciária e oficial de justiça avaliador federal (para graduados em direito), informática / estrutura e informática /desenvolvimento (para formados em qualquer área, mas que tenham especialização em tecnologia da informação), administrativa (que não exige graduação específica), contadoria (para graduados em ciências contábeis) e medicina (para esta vaga, o médico precisa ter experiência de pelo menos dois anos em clínica geral). Há ainda chances de cadastro de reserva: em Pernambuco, há oportunidades nas seguintes áreas: judiciária (3), contadoria (1), informática / estrutura (1) e medicina (1); há ainda uma vaga na área de informática / estrutura em Alagoas e uma vaga em medicina no Ceará. Língua portuguesa e direito administrativo são conteúdos cobrados para todos os cargos. Nas provas para analista, haverá teste discursivo.

Dicas de ouro

Professor de direito penal no Aprova Concursos e promotor de Justiça em Minas Gerais, Christiano Leonardo Gonzaga Gomes orienta os candidatos a focarem os estudos em administração pública, principalmente no que concerne a peculato e crimes de corrupção passiva e ativa. “É preciso se concentrar também em delitos de fé pública, como falsidade ideológica e moeda falsa, por exemplo”, afirma. O docente aconselha que os inscritos evitem decorar leis durante os estudos. “A banca costuma inverter a ordem da escrita ou até mesmo uma vírgula. Se a pessoa apenas decorar, não saberá identificar o que está certo ou errado”, comenta.

Décio Terror, professor de língua portuguesa no Estratégia Concursos, afirma que, geralmente, os concurseiros têm dificuldades em redação de confronto e no reconhecimento de frases corretas e incorretas. “A banca apresenta um texto no enunciado e oferece itens com frases trocadas, mas que não perdem o sentido. Os alunos erram esse tipo de questão porque só avaliam se o sentido continua o mesmo, mas não se atentam ao quesito gramatical”, explica. Para sanar o problema, é preciso estudar interpretação de texto. Décio Terror comenta ainda que a FCC tende a juntar dois conteúdos numa só questão e candidatos menos preparados podem se atrapalhar.

Matéria comum para candidatos das áreas administrativa e de contadoria, contabilidade pública pode ser um empasse para os interessados em conquistar uma vaga. “Isto porque as normas mudaram muito nos últimos anos e quem estava acostumado com o texto antigo pode errar as respostas”, afirma o professor da disciplina no IMP Concursos Marcel Guimarães. A dica dele é dar ênfase aos quatro balanços: orçamentário, financeiro, patrimonial e de demonstração das variações patrimoniais. Segundo o docente, é imprescindível conhecer o manual de contabilidade aplicado ao setor público. “Principalmente os conceitos básicos e os documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siaf). Evite estudar tabelas de eventos, pois isso raramente é cobrado”, afirma.

Uma vaga é minha

Moradora do Recife (PE), a estudante do sexto semestre de direito Ana Júlia Azevedo, 31 anos, tentará uma vaga de técnica judiciária na área administrativa. “Antes eu fazia concurso sem compromisso. Hoje, estudo em média quatro horas por dia”, diz. Ana Júlia está otimista para o certame e acredita que, com dedicação e foco, alcançará o sonho de ser servidora pública. “Eu me sinto preparada para a prova do TRF”, empolga-se. Para dominar os conteúdos, ela conta com a ajuda de um curso on-line e pede ajuda aos professores da faculdade. “Eles me auxiliam muito em direito constitucional. Em casa, foco em administração, pois é um conteúdo que não vejo na graduação.”

Passe bem / Língua portuguesa


As normas de concordância e a adequada articulação entre tempos e modos verbais estão plenamente observadas na frase:

A) É comum que se assinale numa crônica os aspectos do cotidiano que o escritor resolvesse analisar e interpretar, apesar das dificuldades que encerram tal desafio.

B) Se às crônicas de Rubem Braga viessem a faltar sua marca autoral inconfundível, elas terão deixado de constituir textos clássicos desse gênero.

C) Caso um dia venham a surgir, simultaneamente, talentos à altura de um Rubem Braga, esse gênero terá alcançado uma relevância jamais vista.

D) Não seria fácil, de fato, que venha a se equilibrar, na cabeça de um jovem cronista de hoje, os valores de sua experiência pessoal com os de sua comunidade.

E) Tanto uma padaria como um banheiro poderiam oferecer matéria para uma boa crônica, desde que não falte ao cronista recursos de grande imaginação

Comentário:
A alternativa A está errada, pois o verbo “assinale” é precedido do pronome apassivador “se”. Assim, esse verbo deve concordar com o sujeito paciente “os aspectos do cotidiano”.

A alternativa B está errada, pois a locução verbal “viessem a faltar” é transitiva indireta, o objeto indireto é “às crônicas de Rubem Braga” e esse verbo deve concordar com o sujeito singular “sua marca autoral inconfundível”.

A alternativa C é a correta, pois a locução verbal “venham a surgir” concorda com o sujeito plural “talentos”. Além disso, “terá alcançado” concorda com o sujeito singular “esse gênero”.

A alternativa D está errada, pois a locução verbal “venha a se equilibrar” deve concordar com o núcleo do sujeito “valores”. Além disso, o futuro do pretérito do indicativo “seria” não se correlaciona com o presente do subjuntivo “venham”. Assim, devemos trocar este tempo pelo pretérito imperfeito do subjuntivo “viessem”.

A alternativa E está errada. Como o sujeito de “falte” é “recursos de grande imaginação”, é preciso usar a forma verbal no plural “faltem”.

Questão retirada do concurso para delegado de Polícia Civil do Amapá, comentada pelo professor de língua portuguesa Décio Terror.


O que diz o edital

Inscrições: até 27 de outubro aqui
Taxa: R$ 60,85 (nível médio) e R$ 70,85 (nível superior)
Vagas: 14, além de cadastro de reserva
Salário: R$ 6.376,41 (nível médio) e R$ 10.461,90 (nível superior)
Provas: 3 de dezembro; em 11/3/2018, será aplicada a prova de capacidade física para o cargo de técnico judiciário  — área administrativa — especialidade segurança e transporte
Locais de prova: Recife, João Pessoa, Natal, Fortaleza, Maceió e Aracaju



*Estagiário sob supervisão de Ana Paula Lisboa

PESQUISA DE CONCURSOS